NOTURNO

12/08/2015 09:11

Frederico Spencer

 

Talvez dessa noite

herde o poema que espreitou o dia.

Nesta noite

que me mantenho oblíquo: farol,

deste mar de horas e solidão

assisto o vai e vem de elegias

                                               e reinvenções:

versos antigos se reeditam, saltam

da escuridão buscando luz e forma.

Talvez desta noite

o poema nasça

libertando o amanhecer.


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!