PARA O ALMOÇO

13/09/2015 10:51

Frederico Spencer

 

Pingos de sangue sobre a pia. Na faca, estilhaços da carne e o raio de sol que cinge o alumínio da manhã.

Nesta manhã, o silêncio e uma dúvida: o que fazer daquele corpo que, agora em pedaços, deve ser guardado urgentemente no gelo antes que apodreça e o seu fedor exale pela casa, pelos corredores e o edifício enfim acorde do seu sono?

Pensou em fatiá-lo, assim organizaria melhor seu transporte para onde quer que fosse, arrumou sacos e bandejas.

Pensou também em enfeitá-lo, com o gabinete da geladeira aberto, buscou legumes e verduras; o sal no armário, para protegê-lo da desintegração e apurar o paladar já que o suor não escorreria mais por sua pele.

Dúvidas sobre água ou óleo para ungir; enquanto o acariciava pensava: talvez esse fosse o único carinho que recebera por toda sua vida.

Leves batidas no lombo - uma última esperança de ressuscitação - inconscientemente pensava nisto.

Enquanto remexia naquele corpo, pensava nos membros da família - o que servir para o almoço naquele domingo? Um a um, começavam a chegar.

 

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!